"Cada qual sabe amar a seu modo; o modo pouco importa; o essencial é que saiba amar." (Machado de Assis)

sexta-feira, março 31

Riso e Sorriso

Existe uma diferença que pouca gente sabe perceber entre quando uma pessoa dá um riso e um sorriso. Um riso é muito mais comum que um sorriso.

O primeiro, podemos ver sempre nas pessoas. O segundo, é artigo em extinção.

Um riso é remédio, como diria o ditado. Muitas vezes é sincero, mas pode ser apenas externo, feito para demonstrar simpatia, aprovação ou contentamento, mesmo quando nossa alma está em frangalhos. A gargalhada manifesta graça por algo que se diz ou que se escuta, o riso é a manifestação externa do que pensamos naquele momento. É fácil rir, é fácil retribuir uma risada. Em alguns casos, o riso é uma boa moeda de troca; em outros, uma saída rápida. O mais deprimido de todos pode dar uma boa risada enquanto lê uma piada engraçada ou se um amigo lhe disser uma grande besteira. O riso é estado de satisfação, mesmo que momentanea ou menos sincera.

Já um sorriso não; o sorriso é um espelho do estado da alma. Quando uma pessoa sorrí, todo seu corpo sorrí ao mesmo tempo, porque é sua alma - e não sua face - quem está sorrindo. Quando alguém sorrí do outro lado do telefone, nós sabemos mesmo sem ver; se alguém sorrí para você quando você está abatido, esse sorriso aquecerá sua alma e dará forças para que você se levante. Quando vê um amigo que não vê a anos, você sorrí por sentir tanta alegria. Os pais sorriem para as crianças que caem em seus primeiros passos; os animais sorriem quando ganham um afago do dono; os amigos sorriem porque nos preocupamos demais com algo que fatalmente perceberemos que é uma besteira enorme.

Um sorriso acalenta a alma e mostra nossos sentimentos.

O riso alegra um dia e alivia um ambiente.

Na verdade, não paramos para prestar atenção nessa diferença porque geralmente nós não paramos para conhecer as pessoas que estão conosco. Somos capazes de conviver toda uma vida com pessoas sem que vejamos um sorriso em seus rostos, ou que possamos identificá-lo. Mas basta pensar em você mesmo para perceber: quando você beija o amor da sua vida, você rí?

...ou você sorrí?

6 comentários:

André disse...

Eu faço os dois :P

Mas eu prefiro sorrir... óbvio :D

Marcia Arantes disse...

Eu adorei seu post!Concordo plenamente....e sorrir tá difícil....ainda mais com a situação do nosso país só da pra rir mesmo!
Bjos
Ma
)O(

devakant disse...

A situação do nosso País não pode afetar o seu riso, ainda mais porque o Brasil está melhorando, o poder aquisitvo já é um pouco melhor. Portanto, sorria vais ajudar. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Márcia Arantes, concordo plenamente com seu ponto de vista , mas acredito que a capacidade de sorrir esta diretamente ligada a nossa auto-estima, a maneira que lidamos e olhamos os problemas e conflitos diários e a nossa satisfação quando deparamos com nossa própria vida...

Achei o artigo muito rico e interessante, parabéns :)

Nina Souza disse...

O importante é nunca deixarmos de rir, nem que seja de uma coisa boba. Desprezamos o poder curativo de uma boa gargalhada... e como ela faz bem!! hahahaha!
Obrigada a todos pelo carinho!

Franncis Antunes disse...

Olá! Gostei bastante dos textos que li neste seu blog. Desejo seguir as suas publicações, pois também escrevo poesias, crônicas e pensamentos para reflexão.
Parabéns pelo trabalho no blog e nas palavras expressas!!

Abraços e votos literários...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...